Eva me chamaste

Fizeste das minhas costas o teu piano

Dos teus desenhos as minhas curvas

Da minha boca a tua maçã

Dos meus olhos o teu mar

Do meu mundo os teus braços


(...)

26 abril 2015

Se precisas do recado para te lembrares, esquece... O mais importante nem é dizê-lo (mas também é importante, nada de confusões), o mais importante é fazê-lo sentir no que se faz e no que se diz, sem precisar de recados, e nunca, mas mesmo nunca, por condescendência. Só por vontade. Como dizer que se ama.
Como é que é possível matar sede de infinito bebendo a água dum oásis, no meio da travessia árida do deserto, que afinal era uma miragem? 
Ninguém acredita, a quem eu conto, a quem tudo explico, ninguém entende... Repetem-me que era uma miragem, porque afinal, não era água, não era vida em estado líquido, não era sequer vida, era só mais um pedaço seco de areia no deserto... Não vês que estás seca e nada restou? Nada sequer chegaste a ter... É  claro e evidente que eu é que me enganei, e simplesmente não quero ver. Não era água... Então como é que eu sinto que a bebi, e como me matou essa sede de infinito que ninguém percebe? 
Porque não entendem?... se o infinito é meu, só eu sei como o sacio, talvez para mim a miragem tenha sido o verdadeiro oásis, porque me matou a sede, porque me mostrou o infinito. Não me interessa se era ilusão, a realidade é que por momentos bebi o infinito. E isso é realidade, a minha realidade - eu senti. Se era areia disfarçada de água fresca, miragem ou ilusão, não me interessa. Conheci o meu infinito, e conheci-me, já sei do que tinha sede. E agora, agora, não é qualquer finito, real ou mera miragem, que me sacia. E isso, isso, é que infelizmente não é miragem, é um real e longo deserto de travessia. Mas é possível, depois de se beber uma água que não existe para matar uma sede que nos agoniza, percebemos que é possível. Imaginem se não fosse miragem... eu imagino.

Boa Noite