Eva me chamaste

Fizeste das minhas costas o teu piano

Dos teus desenhos as minhas curvas

Da minha boca a tua maçã

Dos meus olhos o teu mar

Do meu mundo os teus braços


(...)

30 junho 2014

"Criámos barreiras contra o optimismo, habituámo-nos a ver os optimistas como líricos, a arrumar tudo o que nos digam na prateleira da auto-ajuda, da charlatanice. O optimismo é um filtro cor de rosa que nos aumenta a importância própria e nos faz criar uma visão selectiva do mundo; é uma pala à frente dos olhos. Se olharmos a vida sem optimismo percebemos que tantas vezes não fazemos diferença nenhuma na vida de ninguém. Que se não existíssemos, não mudava nada.

Todos temos o secreto sonho de ser a pedra angular na vida de alguém; é isso que nos faz sentir importantes, que nos faz achar que a nossa vida tem sentido. É um condicionamento mental, evolucionário talvez, que está na base de porque procuramos relações amorosas, porque desejamos ter filhos. O sentido da vida é ser importante para alguém. E quando olhamos à volta e entendemos que os nossos filhos, os nossos amigos, os nossos amantes, os nossos companheiros, são tão autónomos e bem resolvidos que na verdade não precisam de nós para nada, isto afecta-nos.*

E aí acontece uma de duas coisas: ou nos deprimimos por nos considerar inúteis, ou percebemos que fazemos falta a nós mesmos; que, acima de tudo, sempre fizemos falta a nós mesmos, e que somos imprescindíveis na procura da nossa própria felicidade.

E que mesmo que não consigas ser relevante para ninguém, a última palavra é sempre tua: és relevante para ti próprio, ou a tua vida é apenas uma função da vida dos outros?"

* aprende no entanto uma coisa: é muito diferente “fazer falta” e “ser desejado”, e a única coisa que interessa é a segunda.


[ eu não sou definitivamente optimista, e daquelas duas coisas acontece-me a primeira em tempo quase real: deprimo. eu não faço falta nem a mim mesma, a sério, é triste chegar a esta conclusão, mas hoje é assim que estou.]
Há cheiros com efeitos colaterais. Hoje entrei em casa dos meus pais e sem saber como as lágrimas caíam-me sem pedir licença. Há cheiros que nos desfazem as armaduras, que nos fazem cair despedaçados em nós mesmos. Tornamo-nos o cesto de papéis amarrarrotados que a vida amarrota e salga e que vamos tentando, um a um, recuperar, alisar e refazer-nos no caos. Já tentaram desamarrotar um papel? Nunca volta à forma original, cada vinco fica marcado, mas as lágrimas correm, salgam a pele e desaparecem, como se nunca tivessem sido. Os cheiros, os cheiros esses, ficam na memória e não amarrotam, há coisas que não passam. Nós somos o que não passa, somos a nossa memória e o que queremos ser.

29 junho 2014

... Os jardins. Outra vez. É perto e eu gosto. É fresco e tem céu. Se fugirmos um bocadinho até tem silêncio. 
Sentei-me com a sandes e o sumo e comi a ouvir falarem italiano, e dou por mim, mais uma vez, a olhar em volta a observar as pessoas. A italiana é infeliz, estou certa. Dois filhos, um marido a mais metros de distância do que o espaço que separa as cadeiras. Um olhar quase sobranceiro, quase indiferente, para ele. Na relva levanta-se outra mulher com um bebé ao colo deve ter perto de um ano, tem um ar feliz e uma barriga quase com outro bebé ao colo, já não falta muito. Esta é feliz, tem qualquer  coisa nos olhos e no sorriso genuíno, na maneira de se mexer? Despretensiosa, à vontade, leve. O respectivo macho perto dela com o carrinho para onde o bebé não quer ir. Colo de mãe não se substitui, dizem. Eu por mim, agora, queria esticar-me na relva ao colo (mas não da minha mãe), a olhar para o céu enquanto discutíamos as formas que as nuvens fazem enquanto correm para algum lado, como fizemos uma vez com sombras na parede da sala. Mas não, vou-me entreter com um gelado de cereja e ficar aqui a olhar para os outros. Ver se alguém noutra mesa se perguntará de mim e da minha (in)felicidade, não faço ideia da ideia que dou. Mesmo. Mas acho que pouca gente, e aqui se calhar ninguém, gosta de observar e analisar as faunas locais como eu. Isso e eu sou transparente. Ninguém me vê mesmo. E eu não sei se sou feliz ou infeliz.
.., beija-me na boca 
e chama-me sandokan
..,rasga-me as cuecas e o soutien.
(Estas músicas, sim senhor... Mas ainda prefiro o "me joga na parede e me chama de lagartixa!...)

28 junho 2014

... E é isto... A inexistência...
A namorar sozinha nos jardins.
De papo para o ar, os olhos no céu que passa por entre a frescura das folhas.
E assim se ganha uma meia hora que se perde a ouvir o silêncio.
(O banco é duro, bolas!...)
...caixa de música, copos de vinho vazios cheios de conversa.
Fugidas que se tornam doces mas em que a alma amarga de incompleta quando se lembra. Principalmente quando se lembra que não somos lembrados por quem lembramos sempre.
Noites em que as cartas nos dizem que temos uma essência selvagem, intensa, e em que nos gozam ao dizer que isso está-me nos olhos, não são precisas cartas.
Eu acho que as cartas se enganaram no tempo do verbo, e que os olhos têm esperança ainda de se reverem no futuro... O presente domesticou-me. Demais. 

Boa noite.

27 junho 2014

E isto.
Boa Noite

tu. eu.
um beijo na cara.
assim quase de repente, quase sem esperas, e eu quase de certeza sem o esperar.
depois outro, na cara, com vontade, quase alegre, parecia.
parece sempre tanta coisa, não parece?
e depois, depois, namorar- sempre namorar - fora do mundo,
 num sitio que nem olhei duas vezes, que não interessa, era o melhor lugar do mundo naquele momento.
o lugar donde não apetece sair.
o abraço, os beijos, o mimo que se sente, o calor que não é do clima mas acelera o coração, a alma que ri, o sabor da tua pele, da tua boca. Nós.
O nós que eu gosto.
Nós.
E eu teimosas em dizer se havia saudades, calo-me, como te calaste tantas vezes, calo-me, mas a alma grita pelo coração e eu cedo-me como quem sucumbe.
Oiço e oiço e não quero acreditar, não me mandas mais embora, agora não, não mais, é a última vez; a partir de agora é só "anda cá"!! Estás doidinho para isso, para o "anda cá", para namorar, para as férias, para uma vida. Para mim? parece...
parece sempre tanta coisa, não é?...
Tenho medo, tenho tanto medo, que me dizes distante, porque quero que me convenças, que me proves, que me ames, porque te quero porque nos quero. e tenho medo. tanto.
e não sei de quê...  nós nunca houve, já te perdi há tanto tempo, quando nunca te tive, quando nunca me quiseste, quando nunca fui a tua escolha, quando nunca fui a vida que queres.
quando nunca fomos nós.
 eu perdi-te sem nunca te ter.
parece, parece sempre tanta coisa.
e estamos sempre aqui.



"- Por que é que julgas que eu nunca choro? 
- Tu não morres o suficiente para poder chorar. "

Jack Kerouac

[não choras porque não morres o suficiente, nem vives porque não amas o suficiente.
eu tenho de sobra dos dois. morro tanto porque amo tanto. 
só não vivo.]

26 junho 2014


... Mais do que presos, que não gosto de correntes, prisões ou obrigações, estamos entranhados. Coisa difícil de desfazer. Não há chave que nos liberte, água que lave ou tempo que apague.
Mario Benedetti
A doçura que se sente, é a doçura que se dá ou a doçura que se recebe? Estava aqui a pensar... É que entregar a doçura que se tem, e quer dar, a quem não a sinta é uma doçura estéril, não vai a lugar nenhum, não sai de nós por não encontrar poiso em que se sinta em casa para crescer. Recebê-la sem ter vontade, não aquece e não adoça; ou nem se sente ou amarga-nos pela vontade de rejeitar uma doçura que não nos é doce, que quase nos fere e nos faz fugir. Tantas vezes de nós mesmos, porque percebemos que não conseguimos escolher que doçura querer, o que sentir ou a quem dar. Não se escolhe a quem se dá porque não escolhemos s quem nos damos. Na verdade, se calhar, não nos damos, roubam-nos, e tornam-se o nosso poiso, a nossa casa, a nossa doçura. Que afinal é tão pouco nossa... A doçura só é doce se o é nos dois extremos dum beijo em que se tocam. Como a ternura, como o carinho, como o mimo, como o desejo, como o Amor.
O chocolate só é doce na minha boca, sinto-o doce. Senão é só um chocolate e é só a minha boca uma boca.

(e agora vou fechar a luz ao telemóvel e fumar o último cigarro na minha varanda e rezar para que não amargue a doçura que me descobri, mas que na verdade nunca foi minha... só é nosso o que controlamos, o que pomos e dispomos conforme a nossa vontade ou razão. Infelizmente.)
Boa noite

25 junho 2014

"-Partiu, vou ter de consertar. Já percebi... Uma trabalheira... ahahha mas com gosto.
...coisa boa. Dava-lhe já um mimo e colinho."

[sim? que é dele?...pois estou precisada disso. há muito tempo. e que me consertem, me colem os bocados rasgados da alma, que mos cosam com beijos pequeninos e me ensinem o coração a bater com vontade outra vez, com vontade de acordar de manhã, que me colem os quereres e descolem de mim as dúvidas que me matam e desossam o carácter, que me lambam as feridas e me deixem aninhar até adormecer. que me deixem ser eu. há tanto tempo que não sou eu, falta-me isto para ser eu, falta-me o doce e a pele, o carinho e a gargalhada, a ternura e a tesão, o silêncio e o que o beijo diz. faltas-me. ainda. 
(lembra-me um comentário a um post deste blog há muito tempo, que dizia "sabe há quanto tempo não beijo?", eu é há quanto tempo me falto por falta de ti. só que eu não é da boca para fora. nunca é da boca para fora o que eu digo sinto dentro, é sempre o que tenho dentro.)]
Pois não, é junto de quem se quer, melhor se num abraço apertado. 
E qualquer sítio se torna o lugar perfeito. 
Quero que este seja perfeito. Aqui. 
Falta-me o abraço...E quem eu quero querer-me em qualquer lugar.
...mas pelo sim pelo não, põe os dentinhos no seguro, sim?
nunca se sabe....
É que estou farta de ser eu a magoar-me e sem seguro...
 ninguém me segura, é o que é!!!
bahhhhhhhh
Bom Dia
(vamos animar, malta, que isto de chorar todos ao dias não é vida)



"Eu quero a Eva de volta e vou ter."
Onde estás?
Onde estás no meu grito por ti se não gritas por mim?
Onde?

23 junho 2014

Já pensei muito, e muitas vezes, sobre esta dicotomia do sim e do não, e nunca tinha pensado nesta perspectiva, ou resumido tão bem e acertadamente a questão, mas é mesmo isto. 
Para quem não sabe dizer não o sim não é nada, é apenas inércia, é o deixar-se ir com o que há. 
Mesmo que esteja sempre implicitamente a dizer não ao seu contrário, di-lo da mesma forma que diz sim, sem convicção, sem reflexão, sem acção. 
É, no fundo, não ter vontades, é não ter vontade de nada, não querer realmente, profundamente, nada. 
É a mais pura verdade. 


... e aqueles 1% devem ser os mesmos que aquela coisa de ganharmos ao Gana por não sei quantos,
 e os USA passarem-se da cabeça e serem os maiores e tal... 
enfim... logo a noite inclui vinho, com certeza....
perceberam, né?

...era isto.
...ou é do tempo, ou é de mim, mesmo... mas era isto.
...não podendo ser hoje, que tem de se trabalhar, que tivesse sido ontem, ou que seja daqui a cinco dias...
 só ronha e mimo e quentinho, até pode chover o dia todo... kélásabereee!!

Bom Dia!
(temos de começar a pensar em animar isto, levantar o nariz e não pensar, não pensar, não pensar,.... nem querer, não querer nada. nada. só isto, que é tudo.... bahhhhh estou sempre tramada!!)

 ... a simples coragem de me querer...
Boa Noite.
Ohhhhhh... Que pena!!... é que senão eu começava a querer ser muito religiosa... E nada de falhar idas à missa!!
(se bem que chamar por Deus assim parece o outro a dizer que não é pecado se estivermos a pensar em Jesus...credo, mais vale pecar mesmo!! )


22 junho 2014

E aqui estou eu a tentar comer o tempo entre cigarros, posts e leituras. À espera que a cama me chame com vontade, mas nada. Depois ponho-me a pensar que é difícil comer o tempo, porque tem de ser mastigado e engolido, e eu queria só engoli-lo. Mas para quê? Nem eu sei. Porque não sei nada, nunca sei. O tempo trará alguma coisa? Engolir este para chegar lá à frente, e lá à frente será que está alguma coisa? Será que alguma coisa vai mudar? Dou por mim descrente e a enterrar os pés no chão, a não querer  pensar, a querer não crer, nem querer nada, nem engolir o tempo que não sei que tempo trará à frente. À frente do tempo estão sempre saudades. Só isso eu sei e tenho medo de o saber mais, mais à frente.

"demorava a língua sem hesitação, pela astúcia do pescoço, pelo carnaval de arrepios que te dançava em várias repetições de desejos. (nunca se fala quando se avança sobre a pele e se rompe o corpo todo, para lá do desabafo do beijo, do silêncio que se conhece no começo dos dedos). deixavas-me, sem interrupção, a ser capaz de tudo. mas nunca se volta ao sitio onde se foi tempo e memória inventada, onde só os corpos estão, sem explicação, num estar sem limite, sem necessidade de haver mais depois. quando a noite caía a espaços prolongados de cor, ia ter contigo. gostava de te provar àquela hora. não num ritual, isso era haver razão. demorava a língua no desejo fundo do teu corpo, mantinha-te viva, arrastava-te para longe de qualquer lugar. sem ordem nos gestos. mantinha-te viva em várias repetições de desejos. e tu perdias-te e passavas do teu mundo para o meu. Trocávamos linguagens em que podíamos ser horas e dias e um universo que não se adivinha. (nunca se volta ao sitio onde se foi tempo e memória inventada, onde não constam nomes nem geometrias fixas). anjos e asas de demónio vermelhas. onde não sobra silêncio no movimento excitado das mãos. anjos sobre o tecto, demónios sobre a cama. demorava-me num estilo nu, sem procura nem destino, fundia-me em ti. mantinha-te viva. não num ritual, isso era haver razão e razão, só para lá do fim.
gostava de voltar a sentir a noite."

Daniel Camacho, página do facebook

[sem razão... e essa ser a razão. de tudo. a melhor de todas. a do porque sim.]
Boa Noite

21 junho 2014


Sou como você me vê...posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,depende de quando e como você me vê passar...suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contacto...tenho uma alma muito prolixa e uso poucas palavras, sou irritável e firo facilmente. Também sou muito calma e perdoo logo. 
Não esqueço nunca. Mas há poucas coisas de que eu me lembre...Tenho felicidade o bastante para ser doce, dificuldades para ser forte, tristeza para ser humana e esperança suficiente para ser feliz. Não me dêem fórmulas certas, por que eu não espero acertar sempre. Não me mostrem o que esperam de mim, por que vou seguir meu coração. Não me façam ser quem não sou. Não me convidem a ser igual, por que sinceramente sou diferente. Não sei amar pela metade. Não sei viver de mentira. Não sei voar de pés no chão. Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma para sempre...Sou uma filha da natureza: quero pegar, sentir, tocar, ser.
E tudo isso já faz parte de um todo, de um mistério.
Sou uma só... Sou um ser...a única verdade é que vivo. 
Sinceramente, eu vivo. 

Clarice Lispector

[sou o que se vê... não tenho estratégias nem máscaras. Escondo o que devo esconder porque nem a todos me quero mostrar, e de alguns quero-me proteger ainda que não fuja, mas não sou nunca quem não sou. posso ser tão diferente e nunca deixo de ser eu. até este medo que me assalta e que não costuma ser meu, agora é muito meu é dum eu muito magoado mas com vontade de viver, ainda. Sou feita de contradições, de medos e de coragem para os enfrentar, de não desistir e de me afastar, de partida por dentro me dar inteira. De apesar da vida desistir de mim eu não mudar, ser assim porque assim eu sei que gostando ou não é de mim, é verdadeiro, sou eu. Mesmo que ser eu seja uma confusão em que me entendo na perfeição. ]

...Eu estava tão perto de ti que tenho frio ao pé dos outros...
Paul Éluard

[...por muita vontade que tenha de não ter frio, por muito que queira, há frios que não se descolam da pele sem a pele certa na nossa, sem a pessoa certa debaixo dessa pele, a que chega bem dentro do por dentro da pele. a pele deixa de ser pele, passa a matéria de Amor, e torna-se imprestável se tem frio. E o Inverno tem sido tão longo e rigoroso.]
Boa Noite
... e quando vês que está partido, que o partiste, se amas, fazes tudo para consertar. 
Foi o que sempre fiz mesmo quando não fui eu a retalhá-lo.
Só se conserta um coração esfrangalhado amando-o com  muito Amor, carinho, mimo e vontade de ser feliz a fazê-lo feliz . Com beijinhos pequeninos cheios de coisas grandes, com vontade de o Amar e ao que o faz bater. Ainda. Mesmo despedaçado, retalhado e cheio de medo de si mesmo. Cheio.

19 junho 2014

...'Tá bem.
É já.
ehehehhe


"Saudade é um pouco como fome. Só passa quando se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida."

Clarice Lispector

[às vezes estar não chega, tem de se ser, tenho de te ser, tens de me ser. esta vontade de sermos como alimento que é parte da fome, porque a acaba e a justifica, porque ela pede por ele, porque é uma urgência que se repete e se troca. há sempre fome se não há alimento. há sempre saudade se o Amor não puder comer a fome de amar o outro. há sempre saudade quando eu não somos nós. Saudade até de mim, duma parte de mim refém em ti.]

.... É... Queres ca(fé)sar comigo?
Deve ser assim. 
Para o resto da vida. 
Ou do café, sei lá.

... E eu hoje estou assim.
Um dia tinha de me saltar a tampa, pois acho que hoje foi o dia.
E acho que faz bem, é saudável. 
Evita que os fusíveis queimem de vez.
Bom Dia!

18 junho 2014

...exacto.
uma palerma estúpida é o que eu sou.
Lixam-me sempre sem qualquer problema de consciência, e eu que me arranje. 
O que interessa é que quem interessa esteja bem, com muita calma e descontracção e com tudo o que quer, eu que fique com as histórias inventadas e espalhadas a bel prazer e com as suspeitas que nada fizeram para evitar levantar. 
eu que me lixe. como sempre.
se estou bem? então não estou? que pergunta!!
eu aguento tudo, não é mesmo?
 e sem dar em descontroladinha e fazer merda atrás de merda e sem prejudicar ninguém.
Mesmo não tendo nada do que quero e tendo tantos bónus sopimpas que eu dispensava de bom grado.
Realmente a única parva aqui sou eu, eu sei.
parece que só descansarão quando acabarem comigo de vez e de todas as maneiras
Agradecida.
Era um favor que faziam se o fizessem bem e eficientemente.
é que eu não aguento tudo, e principalmente não aguento injustiças.

As noites boas escondem-se atrás da lua. Hoje a noite não tem sono, e anda a procurar a lua que se escondeu para não nos escondermos no luar. Hoje a lua está fria, e eu trouxe uma manta que esconde tantos luares como sorrisos, gargalhadas e beijos quentes que tantas vezes despiram o frio e largaram a manta. Esconde tudo escancarado no sorriso que me brilha nos lábios sem quase me dar conta. Só o amor não se esconde, quando se esconde brinca de não existir. Brinca?

"Quando se faz amor assim, de paixão total, fica-se longe das palavras...
o encantamento é uma casa que tem o silêncio por tecto" 
Mia Couto

[é um silêncio de boca cheia.]
Boa Noite

17 junho 2014

...eu bem digo que preciso dum exorcismo... 
e esta parece-me a melhor maneira de me tirarem o diabo do corpo...
ou tentarem muito e com afinco...
bahhhh...

... e o comentário da Filipa no post anterior lembrou-me desta foto guardada há muito,
 e que agora fui buscar ao fundo do baú.
E é verdade, há quem tenha luz própria e quem a reflicta e tudo tem o seu lugar e a sua beleza, por isso temos o Sol e temos a Lua. Um é a vida, o outro o sonho.
Deve ser por isso que me fico embasbacada a olhar para a lua, é a vida reflectida que se sonha.
Que sonho.

...parece-me que sim...
e ainda bem.
É quando as coisas correm mal que se vê de que são feitas as pessoas, 
se a luz vem de dentro, ou se só reflectem holofotes próprios para palcos e teatros para entreter públicos...
Não faço ideia de que tipo sou, mas acho que nem ao sol eu brilho muito quanto mais na escuridão. 
Pelo menos sou consistente, vá.... menos mal...eheheh

Noite tão boa para dormir cá fora. Se ao menos se conseguisse dormir, mas não, entretenho-me aqui a olhar as estrelas, a tentar contá-las, mas elas fogem-me e eu fico a magicar que falta aqui alguém para me encostar e ajudar a contar as tresmalhadas fugidias. São essas que eu quero contar e que me contam dos sonhos por construir, da luz que incendeia os dias mornos. Mas tudo me foge e ninguém me ajuda, e eu não me incendeio e fujo não sei para que onde, não sei para que dias, porque nunca agarro as estrelas que não conto. Conta-mas que eu agarro-as. Não fujo. Prometo.

16 junho 2014

ahahahah
...estas podem dar jeito, sim senhor!!
Inteligentes e com piada!!
Eu gosto mais a partir da terceira...mais sarcásticas, 
o género que eu, num dia mau, não hesitaria em usar...
e hoje até está um dia desses...

Bom Dia!


"Ofereci-te tanta coisa. A mais preciosa, aquela que há muitos anos não dava a ninguém - a mais preciosa, repito, foi a minha absoluta disponibilidade para estar contigo, ouvir-te, ou estar em silêncio perto de ti."

Al Berto

[..e faz-me falta esse silêncio acompanhado, pleno, completo. ainda me faz falta o silêncio dar-me colo. E eu gosto de silêncio, mas prefiro quando não é ausência. Ausência que não escolhi.
Agora o silêncio ainda me parece oco de significado, de conteúdo, de densidade, mesmo que o encha de coisas que nunca existiram, ou talvez por isso...
Incrível como o que não existe consegue ocupar tanto espaço, inutilizar tanto espaço, tantos amanhãs silenciosos que ainda não chegaram.]

E agora dormir, que amanhã vai chegar e é outro dia. O mundo começa todo outra vez amanhã. E depois e depois... e às vezes não apetece, mas agora apetece é dormir.
Boa Noite

15 junho 2014


Tus manos son mi caricia
mis acordes cotidianos
te quiero porque tus manos
trabajan por la justicia

si te quiero es porque sos
mi amor mi cómplice y todo
y en la calle codo a codo
somos mucho más que dos

tus ojos son mi conjuro
contra la mala jornada
te quiero por tu mirada
que mira y siembra futuro


tu boca que es tuya y mía
tu boca no se equivoca
te quiero porque tu boca
sabe gritar rebeldía

si te quiero es porque sos
mi amor mi cómplice y todo
y en la calle codo a codo
somos mucho más que dos

y por tu rostro sincero
y tu paso vagabundo
y tu llanto por el mundo
porque sos pueblo te quiero

y porque amor no es aureola
ni cándida moraleja
y porque somos pareja
que sabe que no está sola

te quiero en mi paraíso
es decir que en mi país
la gente viva feliz
aunque no tenga permiso

si te quiero es porque sos
mi amor mi cómplice y todo
y en la calle codo a codo
somos mucho más que dos.

Mario Benedetti

[e depois tropecei nisto. este homem, o que escreve toca-me, ou ando assim mais para isto, para este doce deambular pela vida... fui à procura da tradução para português, mas algo se perdia na tradução, este melado das palavras, este musicar de frases (podem ler uma das traduções aqui). O engraçado foi encontrar duas traduções para o título do poema "Te quiero", há tradução para "Te quero" e para "Te Amo" (português do Brasil, está visto). Estranha esta língua nossa, que de tão vasto vocabulário, de tão pequenas diferentes nuances, parece tratar diferente uma mesma coisa. Parece até confundir, baralhar. Ninguém ama alguém sem a querer, e ninguém quer realmente uma pessoa se não a amar (digo pessoa, enquanto pessoa inteira, e não mero caso de pele que se esgota ou vai esgotando, e que também aqui é um querer, mas uma fome que se sacia no comer, ou outro não se sacia). Fiquei a pensar no que escolheria, lembrei-me do "adoro-te" que prefiro ao "amo-te" se souber, se sentir, que quer dizer o mesmo mas com uns pozinhos ainda de paixão, de adoração, de fogo. Também aqui preferia o "quero-te", porque eu só posso querer quem ame realmente, mas o "quero-te" risca de todo e qualquer cenário o amor à distância, platónico e morno - quero-te é urgente, e é forte, e é força, onde o amor se deixa dormir. Quero-te. Sem dúvida.]

Acordei nua, mas sem mãos. Procurei não procurar na memória quando terá sido a última vez que acordei assim sem ser culpa do calor que me sufocou ao amanhecer, e me fez tirar tudo o que tinha em cima do pelo e ficar pele na pele dos lençóis. As mãos, essas coisas que me atraem e fazem as vezes congelar o tempo, mãos malandras que fazem rir e querer. Rir muito, querer demais. Mãos que são difíceis de encontrar e fazer a minha pele querer e rir. Pouco que fosse.
Acordei tarde - se estes domingos tivessem horas, suponho que seria tarde- e sem nada em casa que se almoce, ou vontade de o fazer, decidi por aquilo que as pessoas finas chamam brunch, e eu que estou fininha, fininha, apesar de foleira, também tenho direito a usar o termo em vez de pequeno-almoço-a-fazer-de-grande, começo a fazer dois ovos mexidos (que me lembraram outros que fiz há três meses atrás...) umas torradas, um café para pôr no leite à falta do chocolate que acabou, juntei uma dúzia de cerejas que restaram e um fim de tarte de maçã, que apesar de já não estar fofinha, eu nunca o fui e não foi por isso que deixaram de me comer... Ora a tarde merece pelo menos o mesmo tratamento, e em não havendo outra, serviu bem para sobremesa (são as coisas da vida, ser a sobremesa possível...) acompanhada com um bom bocado de gelado de baunilha. Tudo posto numa bandeja e levado para a varanda, depois de desencantar um robe de verão, que a minha varanda não me deixa entrar lá nua...
E agora aqui estou eu, a fumar um cigarro e a escrever baboseiras, e a lembrar-me doutras, enquanto o sol já me sobe pelas pernas... Malandro. Cadê as mãos?
... Apetecia-me. 
Isto. 
Assim.
 Gargalhadas, brincadeiras, sussurros, caras juntinhas, beijos e beijinhos a entremear tudo, até poisar a cabeça na melhor almofada, feita peito que me acolha e me proteja, que queira ser o meu porto seguro, e que tenha uns braços que me envolvam em segurança, onde sempre me possa render ao fim do dia e deixar-me embalar num sono doce e tranquilo - paz plena. Há quem chame Felicidade. 
Os nomes a mim não me interessam, os rótulos são só indicações para o exterior, para os outros. Mas não me interessa que percebam ou não, isto não é para perceber, não preciso que percebam - não isto pelo menos -, só quero sentir: é o que eu quero sentir. 
Outra vez.
Boa Noite

14 junho 2014

Esticadinha de pijama na varanda. O sol ainda só toca as pontinhas dos dedos dos pés. Está um calor bom, misturado com uma brisa que não abafa. Só a preguiça - tanta - abafa. 
Acabada de pintar as unhas, com os dedos espetados como se isso evitasse algum desastre, tenta-se pensar no resto do dia com cores boas, relembra-se a conversa com primo ao telefone e entendemos que não se pode entender porque gostam de nós, ou porque gostamos de alguém, mas sabemos que relembrá-los, ou algo deles, nos faz o sorriso de dentro espelhar-se num sorriso para fora. Com tudo isto tenta-se afastar os fantasmas a quem queremos virar a cara e meter ordem de despejo da alma. Moram mas não habitam. 
Entretanto penso se pinto os pés também. As unhas, bem entendido, se bem que com o meu jeitinho se calhar é mesmo mais os pés...
...coisa mais boa!!
coisa linda.
Bom Dia.

"Vá dormir muita coisa boa.
Minha."

Vou. Depois de fumar o último cigarro na varanda, de pijama, à procura da lua que não devo ver.
Amanhã é outro dia. Felizmente.
Boa Noite.

“Ele jogava às escondidas no corpo dela, e ela mostrava-se feliz com aquele formigueiro no íntimo resguardo do corpo, que mais parecia um fruto vermelho, possuído. Havia um cheiro a prazer na cama, lençóis sujos da sujidade mais limpa dos corpos, e murmúrios que ficavam exaustos de uma noite para a outra.” 

João Morgado

[um fruto vermelho, uma maçã, uma tentação, a Eva que já não sou.]

13 junho 2014

Em vão, tudo em vão. Então para quê? 
Nem uma palavra em troca de tantas palavras e tantas conversas, de tanta coisa há tão pouco tempo. Tanto nada em resposta a tudo o que se deu sem nada pedir, e quando se pede o mínimo, que nem devia ser preciso, nada, nem uma palavra. Tudo em vão. Tudo vão.
"- A porta está aberta.... é seguro ir lá ver?
- É pois.
-... ou ainda me aparece lá um homem nu?
- Eu até deixei a porta aberta para se ele aparecer nem ter de bater à porta, podia desmotivar-se, sei lá...."

ahahahahhahaha
Irra!!.... estou sem pachorra para certas coisas... 
as pessoas às vezes (muitas ou sou eu que tenho mau feitio, sei lá...) 
parecem parvas... outras vezes parecem muito parvas,
é pouca a variação, torna-se monótono assim, a sério!!
bahhhhh



...eu precisava das duas coisas...
de tratar a cabeça e que me tirassem o diabo do corpo...
...será que se arranja um dois em um?
...é que as finanças são curtas...
e se ainda pudesse ser médico....uiiiiii então é que era!! 
Tinha a vida ganha!!
(sou mázinha pois sou...)
Bom Dia!!



Mario Benedetti

Estou a apaixonar-me pela sensibilidade de escrita deste homem. Encontrei um livro dele na Feira do Livro, só um e trouxe-o cheia de pena de não haver mais (e cheia de pena de não trazer um outro do Julio Cortazar que estava vizinho dele)...  Não se entende como tão pouca coisa dele está traduzida para português. Talvez o português não seja doce o suficiente para a doçura de alma que ele põe em palavras.
"Ela dava-me a mão e nada mais fazia falta (...) ela dava-me a mão e isso era Amor"

12 junho 2014


A minha mãe trazia os olhos vestidos de desespero, via nos meus falta de vida, e no corpo falta de vontade. Não sabia já o que fazer, o que me fazer. Saiu do quarto. Apareceste tu. Percebi que te tinha chamado, o desespero de mãe corta todas as ideias que alimentam os princípios, que deixam de se ter, deixamos de pensar, passamos a só querer alguma coisa. Ela queria que eu quisesse. Trouxe-te para eu querer alguma coisa, para alguma coisa me agarrar, porque a nada me agarrava. Estás à minha frente e eu não queria, não queria que me visses assim, sem espinha, sem força nas pernas para te enfrentar, sem força nos olhos para te ver, cresci em mim, nasceram forças do vazio que trazia e enxotei-te, disse-te coisas para me magoarem mais a mim que a ti, porque sabia que isso te magoava, e não te queria ali perante a minha impotência, a minha falta de defesas e de vontades, de ganas, aquela não era eu, mas os restos mortais que a vida e tu e me deixaram. Inclinaste-me para o que eu penso seria a intenção de um beijo na testa, virei-te a cara, e disse-te só "Adeus". Tu resignado, sempre resignado, até perante a minha resignação que mal cabia naquele quarto de hospital, até assim te resignaste, até assim me deixaste ir, deixando-te ir. Passaste a porta e eu fiquei de novo vazia, mas cheia de inquietude. A minha mãe de novo. Passaram uns minutos no silêncio da confusão que me ia dentro há tanto tempo, disse só, "vai buscá-lo, nada disto faz sentido". Entraste outra vez, levantei-me com muito custo e pedi-te que te sentasses. Sentei-me ao teu colo, aninhei-me em ti, como se ontem tivesse sido a última vez, encostei o nariz ao teu pescoço e senti outra vez o mesmo calor, o teu cheiro de novo, a intimidade entranhada, abracei-te o que as forças deixavam, e senti-te tremer por dentro do peito, afastei-me para te ver melhor e tu começaste a tremer por fora, a soluçar, corria-te pela cara o que sempre prendeste naquele brilho mais brilhante que os teus olhos mostravam quando as conversas eram mais despedidas que conversas, mas desta vez, sem conversa, tu deixaste-te ir e choravas como um menino, e eu ouvia-te sem que falasses, não querias que te deixasse, e repetias vezes sem conta, e abraçavas-me com o medo da força com que o fazias, e eu respondi-te em voz para que me ouvisses por fora " não fui eu que te deixei, foste tu que me deixaste, foste tu que nunca me escolheste para ti", e calei-me enquanto com beijos pequeninos te secava as lágrimas que te desabavam dessa dor que não estancaste, a que te resignaste. Por fim o silêncio, por fim paraste, por fim parei.

[Repost de 9 de Maio de 2012, releio-me e percebo-me a falta. a falta de mim]

"Tive o que pude, não tive o que quis. Terei de saber lidar com a sensação de incompleto que me completa os silêncios vazios na cama. Fui tão maior e melhor por ti...Nunca contigo. Nunca contigo...

E, perdoa-me a franqueza, fui o melhor que te podia ter acontecido e negaste-me o amor perfeito.
Teria sido maior que mil homens.

Amei-te por mil homens.Vou amar-te em mil mulheres."

Do miúdo.

Diz o que sinto, só não quero amar-te em mil homens. Não quero procurar-te em ninguém. Quero procurar-me em mim. Encontrar-me e dar-me inteira, sem ti, a quem me faça sentir bem comigo, me valorize e me prefira, sem qualquer dúvida, entre todas e quaisquer mil mulheres.  Todas.

(miudo, gostava muito de te dizer que o que dizes não é verdade, que não vai ser assim, que és muito novo e o Amor da tua vida ainda mora algures no futuro, mas nunca to poderia dizer convicta, acho que poucos têm a sorte de o encontrar, e o Amor não se compadece com idade,  vida ou contextos, não é quando dá jeito, é - com todas as forças que esse Amor te dá - dar um jeito de ser, e se for para ser, será. Digo-te apenas que torço muito para que não seja verdade, e que voltes a sentir de forma diferente porque nunca nada é igual, mas de forma tão intensa como nesse amor que apelidas da tua vida, que te arranque das tuas certezas e te mostre outras cores no mundo, que te agarre e arraste além de ti e para o melhor que possas ser, que a vida, e alguém, te volte a surpreender além do que possas sonhar. É sempre além do que se sonha que está o sonho que se deve viver.)


Qualquer semelhança com a realidade é pura pena minha.... bem gostava!!
Ora, parece que há dois anos deixei escapar um destes, lamentavelmente, não dei conta.
Nem que tivesse chegado nem que me tivesse deixado... ora portantosssss se alguém souber de algum mocinho destes - ou aproximado, vá.. - .pode mandá-lo ao meu domicílio que eu prometo que deixo que ele me ausculte o coração (descobriram que o danado tem um sopro pode ser que ele me conserte soprando-me ao ouvido coisas boas para o coração e que arrepiem a espinha e o caminho...) e me dê umas injecções de felicidade. Mesmo sem status. Não faz mal. O único status que me importa é ser feliz. Se não sempre, maior parte do tempo, e ter a felicidade de ter alguém ao lado que goste de mim nos restantes momentos.




Hoje vim o caminho todo sem música, só debaixo do sol, com o olhar atrás dos óculos de sol novos - porque uma rapariga tem essa coisa da terapia de compras, com amigas que gostamos de fazer rir e rir com elas, e entretanto vestir, despir, experimentar, dizer que sim, dizer que não, e passar o tempo só com parvoeiras que saem caras mas saudáveis. E então, dizia eu, vim a pensar numa serie de coisas, e estou cansada da escuridão deste blogue (percebi ontem no flashback a que me impus), eu sou assim, mas não sou só assim, e embora já tenha outro blog onde me vou tentando escrever, vai ser neste, aqui, que eu espero conseguir dar-me a volta. 
Às vezes é preciso espezinharem-nos de tal forma, dirigirem-nos tal mesquinhez e mentiras, que ao notarmos tanta falta de carácter e de tanta coisa, que ainda por cima apesar de premiada com o que desejam, o que tanto desejaram, mesmo depois de vitória em punho, não sabem ganhar sem tentar humilhar e espezinhar a quem entendem que ganharam, como se algum dia isto tivesse sido uma disputa, e no entanto, nem o sabor que deveria ser doce da suposta vitória, ou pelo menos de se ter o que se desejou, acalma a maldade das atitudes. É então que percebemos que por muito pouco que possamos valer não espezinhamos, nem nunca espezinhámos, ninguém, não mentimos e não prejudicamos ninguém conscientemente, basicamente não nos identificamos com esse mundo de fachada e tão podre por dentro. Chega-se a sentir vergonha alheia de tal mundo em que alguns vivem.
Então, se este blog é um pouco o meu espelho, vai ter de funcionar ao contrário e fazer-me tentar dar a volta e trazer-me de volta a imagem do que quero para dentro de mim, porque também é o que sou, as brincadeiras, os posts atrevidos, o sarcasmo, a vivacidade.
 Porra, eu não vou amargar nem deixar-me morrer o que tenho de bom. 
Não vou. 
Ou vou, pelo menos, tentar.
 É coisa que de mim não podem dizer, que não tento sempre o que quero, o que acho que me fará bem e feliz. Não tenho essa cobardia. Essa pelo menos não tenho. Terei outras. 
Por isso, deixei cair os tomates mas voltei para os buscar. 
eheheheh
Bom Dia


Mais uma vez a tentar fazer algum sentido de tudo. Comecei de trás para a frente, do mais antigo e fui andando. Já me ri, já me lembrei de coisas que pensava ter esquecido, mas leio a primeira frase e lembro-me do que era, da situação, de muita coisa. Estive a ler os diálogos através dos comentários, as brincadeiras, os subterfúgios das palavras que falavam sempre mais do que se podia ler. E não sei o que aconteceu. Não percebo. Agora parece que lhe pareço amarga, sem brincadeiras, sem doçura, sem nada, e não é verdade, não o sinto verdade. E gosto destee blog, este blog sou eu no que tenho de mais tonto e de mais sentido, de diabinho e de angelical, talvez. O que tenho de Eva afinal. Já não sou Eva? será isso? Deixei de ser, o que mudei? o que mudou em mim? o que mudou neste blog? Parece-se comigo mas é menos eu, é só a parte mais dura, mais dorida, mais magoada de mim. Não quero. Quero acreditar em beijos e em gostar e em mimo e em desejo, e em misturar tudo com gargalhadas e calor doce. 
Boa Noite

Ah, se já perdemos a noção da hora
Se juntos já jogamos tudo fora
Me conta agora como hei de partir
Se ao te conhecer, dei pra sonhar, fiz tantos desvarios
Rompi com o mundo, queimei meus navios
Me diz pra onde é que inda posso ir
Se nós, nas travessuras das noites eternas
Já confundimos tanto as nossas pernas
Diz com que pernas eu devo seguir
Se entornaste a nossa sorte pelo chão
Se na bagunça do teu coração
Meu sangue errou de veia e se perdeu
Como, se na desordem do armário embutido
Meu paletó enlaça o teu vestido
E o meu sapato inda pisa no teu
Como, se nos amamos feito dois pagãos
Teus seios inda estão nas minhas mãos
Me explica com que cara eu vou sair
Não, acho que estás te fazendo de tonta
Te dei meus olhos pra tomares conta
Agora conta como hei de partir

Chico Buarque

[letra linda. ainda há coisas lindas, é a essas que temos de nos agarrar e acreditar que são possíveis, ou a vida será uma tormenta infindável, como a noite de hoje.]

11 junho 2014


“O amor não se manifesta no desejo de dormir com alguém, mas dormir junto a alguém.” 
Milan Kundera

[um enorme pormenor de diferença...]
....e depois como se não bastasse há a crueldade própria da nossa mente que não mente, que não nos sabe mentir nunca nos dando afinal a verdade das coisas, e sem aviso, porque nos sentamos no chão da nossa sala no sítio, em que nos lembramos de repente, estávamos em certo dia, melhor, certa noite a partilhar um milfolhas com um copo de vinho tinto à luz de velas e a ouvir Portishead, e quase sentimos aquele braço a envolver-nos, a agarrar-nos pouco acima da cintura e a puxar-nos - peito com peito, face com face - ao som da música, a dançar sentados, calados, juntos, tão juntos. Parecia, parece-me ainda na mentira da memória cruel, juntos mesmo, tudo junto, tudo uno. Tudo nós. E novamente a crueldade da nossa mente a lembrar-nos, a gritar-nos, a apunhalar-nos, que deve haver casos assim, que é só coisa de corpos, que não haja confusões, e que como não estão aqui - neste sítio em que o acaso me plantou no chão da minha sala -, que não estando aqui, nunca estas ou outras memórias traem cruelmente essas mentes. Vendo a alma por uma mente assim. Aliás, já vendi, ou melhor: dei.

10 junho 2014

A crueldade chega a exceder o egoísmo próprio de quem nada quer já saber, se magoa, se não magoa. Como se se pudesse apagar tudo, e com isso não se importar com nada, não se importar de magoar, não querer saber se magoa, ou sabendo, não se importar. Já não é só egoísmo de quem quer pensar só em si e na sua vida, e desumanizar-se ao máximo, é nunca gostar de ninguém, nunca respeitar coisa alguma, e não haver sequer problemas de consciência com isso, ou porque não a tem ou nunca a teve, ou porque não se importa. Não se importar de magoar quem já se magoou por tantos anos e nunca foi cruel ou egoísta, mas agora, agora apaga-se tudo com uma borracha e não é nada connosco. Já não há peso de consciência ou culpa, os outros que se danem, só importa o que se quer e o objectivo que se tem, aprenderam tão bem, e com tão bons mestres, a manipular que só importa o fim, os meios, e quem no meio se magoa, nada interessa. 
Não tem de haver cuidado, onde nunca houve Amor, afinal. 
Isso revela-se enfim, ou haveria cuidado, pelo menos, em não magoar de forma tão cruel e indiferente à dor que se provoca, ou com que se é cúmplice sem qualquer problema e se calhar com algum prazer. 
"...porque trouxe para casa um homem de carácter, quando necessitava de uma alma de lacaio? Porque não sabia escolher o pessoal? O procedimento habitual do século XIX é: quando um ser poderoso e nobre encontra um homem de carácter, mata-o, exila-o, prende-o ou humilha-o de tal forma que o outro comete a parvoíce de morrer de dor."

Stendhal, in Vermelho e Negro

[...parece-me que no século XXI nada se alterou muito, só a nobreza do sangue azul está mais afastada destes tempos ditos modernos.]

09 junho 2014

ahahhahaha
...só esta para me fazer rir hoje, a sério. 
...pela quinta vez que piadéticos...
Mas li e desatei-me a rir...
...insistente, pois sim.
(só se fui eu que fui insistente em não desistir, enquanto outros foram insistentes precisamente no contrário... há pessoas para quem nem eterno, nem insistente:  simplesmente não é. Nunca foi.)


o que me dói não é a dor
o que me dói é a incompreensão do mundo
dos seres que são, inconsequentemente, como são
da revelação de um carácter curto, perante as contrariedades ser premiado
da injustiça da recompensa do mal, do pouco digno, do rasteiro até
da manipulação bem sucedida
da vitimização à pena tão bem conseguida
da vitória do fim sob qualquer meio.
O que me dói
é a minha dignidade que não manipula,
e consequentemente sai derrotada,
e aí torna-se a todos os olhos indigna.
Até aos meus.
Vira-se do avesso, torna-se incompreensível, inexistente,
neste mundo que vejo e me engole sem dó ou pena,
e com consequências só minhas, só dentro de mim.
O mundo continua, indiferente a mim, ou aos restos do que fui.
Restos amargos que lutam contra si mesmos,
conscientes do que não querem ser,
não querem ser a consequência de tanta inconsequência
maldosa, ou indiferente,
é-me já indiferente.
Inconsequência que brinca e magoa e fere,
Restos que não querem amargar,
neste mundo imundo que me ganha, perdendo-me.
Resto-me, mas será que me aguento, que me resisto?
derrotada, frustrada, perdida no mapa mundo da vida que não entendo,
será que me levanto?
será que me quero levantar?
ou só sucumbir?