Eva me chamaste

Fizeste das minhas costas o teu piano

Dos teus desenhos as minhas curvas

Da minha boca a tua maçã

Dos meus olhos o teu mar

Do meu mundo os teus braços


(...)

17 outubro 2010


Quando nos ligam a dizer que precisam de nos dizer uma coisa, e dizem que tomaram uma decisão, que dizem definitiva, parece que algo não encaixa, soa-nos a estranho pela maneira que nos é contado, mas o que é certo é que o dizem, e dizem-no definitivo, mas pedem espaço e tempo, não nos querem ver nem falar. Assim é.
Horas depois essa decisão definitiva torna-se, não só não definitiva, como contrária. Nem por um momento se pensa na pessoa a quem se transmitiu a suposta decisão, nem por um momento se pensa que se lhe foi transmitida em determinados moldes, era porque afinal alguma coisa tocava a essa outra vida. Não, nada, não teve, nem tem importância alguma. E isto sabe-se quando, vários dias depois, se pergunta como está tudo, porque nos apartaram da vida, nos excluiram dela e do que nela corre, a resposta é não tenho nada para dizer, não vou dizer nada agora. Consistente de facto, obviamente a pergunta é uma intrusão, mas mais à frente na conversa, afinal fica-se a saber que a decisão definitiva, com a qual deveria ter a ver porque foi transmitida e pedido afastamento, foi mudada, mas aí, já sem nada a dizer ou anunciar com pompa e circunstância.
Realmente eu não devo ser deste mundo, porque não percebo esta gente que me rodeia, não percebo como podem achar tão pouco das outras pessoas que lhes querem bem e que nunca as desconsideraram assim. Talvez não se apercebam, mas se pensarem, apercebem-se de como as pessoas são tão egoistas, tão à volta do seu umbigo, que se esquecem que existe o resto do mundo, e algumas pessoas em cujo mundo entram, mas só quando lhes dá jeito, porque elas se dão, sem pompa ou circunstância.

10 comentários:

Miguel disse...

Nem toda a gente é assim...

É bom que saibas disso e saibas separar uns dos outros... Até para teu bem!

beijinho

(a vrificação de palavras é... como dizer... uma chatice?)

Eva disse...

Pois, mas olha a mim só me calha disto. O mal tem de ser meu mesmo...
E pronto vou lá tirar aquela coisa... ;)

Miguel disse...

A maior parte das pessoas são assim por isso a probabilidade que tens de apanhar uma dessas em vez de uma das outras é muito grande...

O mal não é teu!
Eventualmente poderias dizer que demoras demais a perceber o carácter da pessoa mas isso depende mais do outro do que de ti, da capacidade de esconder a parte que quer esconder...
O teu lado é o mais fraco, não tenhas duvidas disso.

Eva disse...

Acho que não é esconder, é não se aperceber, não parar para pensar. Acredito que é isso.
Quanto ao meu lado ser o mais fraco, não sei se concordo, é talvez mais fácil de magoar mas mais forte na convicção, porque quem vê os outros é sempre mais forte do que os que se vêem apenas a si próprios. Apanham é mais da vida. Mas não dá para mudar, e nem sei se quereria mudar se pudesse.

Miguel disse...

Sim, haverá os que não se apercebem mas há dos outros também!

O lado de quem é verdadeiro, transparente, está de boa fé, dá sem pedir nada, acredita, é sempre o mais fraco, o mais vulnerável!

São essas pessoas que se magoam, que sofrem, que ficam tristes, que se desiludem...

Sim, valem muito mais, são Pessoas e não pessoas, ou especie de pessoas, mas isso já é outra coisa!

Apanham mais da vida, como dizes, e isso é, de certa forma injusto! deviam era receber...

Eva disse...

O mundo é redondo... o que dás há-de voltar para ti, e volta já tanto quando dás com prazer em dar, porque faz-te feliz ainda que tantas vezes no fim deixe o travo amargo da desilusão, da incompreensão, de saber que do outro lado não há esse prazer de dar, mas apenas de aproveitar o que se recebe das pessoas que verdadeiramente se dão, e isto é tão, mas tão incompleto, tão pouco do que pode ser.

Miguel disse...

:)

Que o mundo é redondo... é!

O resto...

Não quero particularizar mas o que dei nunca voltou para mim...

Bem, não sei se tens acesso ao que escrevo mas vou deixar-te aqui um link de um texto que está dividido em 5 posts que tem muito disto.

http://ensaiossobreavidanaterra0.blogspot.com/2010/10/ensaios-explicar-o-inexplicavel-do-amor.html

Este é o primeiro.
Tens mais 4 e ainda um outro sobre o mesmo tema, resultante de um comentátio mais longo...

Beijinho, Maçã...

;)

Eva disse...

Sim, já te andei a cuscar, mas este acho que ainda não li. Li o do abraço mágico e partiu-me o coração. O mundo é redondo e estúpido... o que não é uma boa conclusão, depois do que esccrevi ali em cima...
Vou ler o que mandas.
beijinho, ET ;)

Miguel disse...

Pois... Não sabia se terias o link. Não vem no perfil e nem toda a gente lá chega.

Ainda hoje me aperta o coração quando me falam nisso... Espero um dia poder sentir assim alguém outra vez...
Acho dificil mas enfim... logo se vê!

O mundo é redondo... dizem!

:)

Eva disse...

:)
Dizem... esperemos que seja...