Eva me chamaste

Fizeste das minhas costas o teu piano

Dos teus desenhos as minhas curvas

Da minha boca a tua maçã

Dos meus olhos o teu mar

Do meu mundo os teus braços


(...)

28 novembro 2012

...se ao menos eu soubesse como fazer isso, eu fazia...
Já era tempo da tortura mudar de mãos.

2 comentários:

Dri disse...

tens de ser tu a querer mudar isso!
temos sempre de ser nós a ter a vontade de dar a volta. qdo os outros já não se interessam nem querem saber de nós temos nós que os torturar, ainda que nem saibam, mas nós sabemos, andando bem e de cabeça erguida.
qdo alguém nos magoa e nos faz cair, mantermo-nos no chão é sinal de que essa pessoa tem importância. mas não pode ser, porque se essa pessoa nos magoou a importância dela na nossa vida é nula! tem de ser nula!

Eva disse...

Só quem tem importância nos faz cair, ou não cairíamos, negá-lo não muda a realidade. Não tenho qualquer problema em mostrar que não estou bem se não o estiver, não disfarço, normalmente não dou aos outros a importância de me dar ao trabalho de disfarçar. Quem gosta de mim conhece-me, quem não gosta, estou-me a marimbar para o que pensa... costumo ser assim, mas não ando a chorar pelos cantos, aliás, normalmente a minha reacção é mesmo tornar-me mais agressiva e altiva com toda a gente quando não estou bem, quem não me conhece bem nem sabe que o faço por estar no chão, por me querer defender afastando todos.
Por isso quem nos consegue magoar é porque está próximo o suficiente para nos atingir, eu não disfarço a importância que os outros têm em mim, como não disfarço quando deixam de a ter, e por ser verdadeira em cada momento, quando desligo sabem que desliguei mesmo, que não é joguinho ou hipocrisia. Sou assim.