Eva me chamaste

Fizeste das minhas costas o teu piano

Dos teus desenhos as minhas curvas

Da minha boca a tua maçã

Dos meus olhos o teu mar

Do meu mundo os teus braços


(...)

26 janeiro 2013

"Não era raiva. Era marca de dor."
Adélia Prado

3 comentários:

Anónimo disse...

Nem sempre se sabe ler o que vai na própria alma. Qquanto à dos outros a tarefa torna-se bem mais difícil, se bem que quando se alcança pode ser bem recompensador.

Eva disse...

Será que se alcança alguma vez a compreensão da alma dos outros? Nao sei, e recompensador só se essa alma valer a pena a compreensão. Compreendermo-nos é que é sempre recompensador, aí concordo.

Dri disse...

tão eu!!