Eva me chamaste

Fizeste das minhas costas o teu piano

Dos teus desenhos as minhas curvas

Da minha boca a tua maçã

Dos meus olhos o teu mar

Do meu mundo os teus braços


(...)

10 maio 2013



Nada, nada, nada...
Nada!!!!
Acho que há muita gente com esta teoria, 
só não vivem é na agua...
Eu estou a ficar adepta, parece que se calhar até funciona.
Pelo menos parecem alegres e felizes.

4 comentários:

Dri disse...

sim Eva, sem dúvida que sim. Pode exigir tudo de nós mas nunca se pode desistir de nós mesmos!
:)
E olha que está a escrever a pessoa que mais bofetadas tem lavado da vida, ainda há pouco levei uma e das grds!
Ainda me apeteceu chorar, estive com os olhos raiados de lágrimas mas depois disse para mim mesma: Dri, nem penses!!! Não choras nunca mais por pessoas que fazem de ti uma insignificância!
E a verdade é q não vou chorar! Não posso!
:)

Eva disse...

Pois chorar não vale muito a pena, mas alivia...
E apetece muito baixar os braços e deixar-me cair, a sério que dá uma vontade danada...
mas nunca tive muito jeito de peixe, não. Mas talvez eles é que tenham razão e se seja mais feliz assim, deixando tudo andar sem fazer nada por andar diferente...
Já não sei nada.

Dri disse...

Olha, sabes, porque não experimentas remar ao contrário do que semre fizeste. Dizes q nunca tiveste muito jeito de peixe mas experimenta agora, nem que seja só desta vez, fazer isso, nadar, levantar os braços, seguir em frente. Faz isso...vais ver como te sentes...e não vais querer parar.
Há pessoas qe não precisam de lutar, que na vida tudo lhes corre de feição, serão mais felizes que nós? não sei, não me interessa nada disso. POsso dizer-te que tenho tido muitas desilusões, a todos os níveis, antes sentia sempre o meu corpo a ir abaixo, uma vontade de querer saltar da ponte. Agora, continuo a levar bofetadas mas a vontade q tenho é de continuar para ver onde a vida me leva. Só desisto quando morrer.
:)

Eva disse...

O contrario do que sempre fiz será não remar, daí a pouca vontade para remar, porque afinal muitas das vezes remar ou não é igual, e assim é mais fácil esperamos que a corrente nos leve para onde quiser e pronto, nem discutimos. O problema é que realmente não acho que isso seja do meu feitio, mas se calhar essa é a melhor estratégia. Não sei. Lembra-me aquela frase "peixe que vai com a corrente é peixe morto", ou qualquer coisa do género, só quando já morreu é quedei a corrente guia-lo.
Eu devo estar semi-morta, tenho desculpa.