Eva me chamaste

Fizeste das minhas costas o teu piano

Dos teus desenhos as minhas curvas

Da minha boca a tua maçã

Dos meus olhos o teu mar

Do meu mundo os teus braços


(...)

07 agosto 2013


Chamaram-me teimosa várias vezes, porque persisto, porque insisto e não desisto. Normalmente, quando me chamam teimosa, têm por resposta, que nunca ninguém teima sozinho, se há teima, há - pelo menos - dois teimosos. Mas disseram-mo várias vezes sem eu me lembrar sequer de tal resposta costumeira, porque, de facto, gostar não é teimar: gostar pode ser apenas de um: o que não desiste (por muito que custe, por muito que - tantas vezes - doa. Muito.). O que sabe o que quer e quanto o quer. O que sabe o que anda a fazer, e porquê.
Não é teimar, é sim: te amar: uma ligeira grande diferença, em tanta coisa.
Para teimar é realmente preciso dois, para gostar não, para te amar não, para ser realmente um grande Amor já é. Senão é um projecto que não se realiza, não se realizará. Apenas não sai duma cabeça, que diziam que teimava...

3 comentários:

Anónimo disse...

Boa noite ev@

Eva disse...

Bom di@

Anónimo disse...

Bom dia ev@