Eva me chamaste

Fizeste das minhas costas o teu piano

Dos teus desenhos as minhas curvas

Da minha boca a tua maçã

Dos meus olhos o teu mar

Do meu mundo os teus braços


(...)

22 fevereiro 2015

Ando com uma cena na cabeça desde manhã, nao sei porquê apareceu-me, passou à frente dos meus olhos, entrou-me alma adentro e dei por mim a sorrir... Feita estúpida, pois. Ainda não a escrevi, é uma coisa meia tonta, mas que me fica a bailar na cabeça e nos dedos enquanto não a deixar escrita. Só é pena que estas minhas imaginações macacas só dêem para escrever, em vez de as coser com linhas da vida à alma, aos dias que me escapam pelas mãos sem rir, sem fazer rir, sem abraçar e encher de beijos... 
E ainda não vai ser agora que a escrevo, parei hoje pela primeira vez agora, vou beber o meu café no silêncio dos barulhos que me rodeiam. Estou cansada, doem-me agora os ossos debaixo do olhar já cansado há tanto tempo...

Bom Dia

3 comentários:

eusouassim disse...

Fiquei curioso para a ver escrita. E se te fez sorrir é porque é boa! :-)

Vou esperar para a ler!

Beijos

Joao Joannes disse...

Chiça, o sorriso...
Que o sorriso saísse em decreto como obrigatório...

Eva disse...

Olha tal a velocidade do dia que nem tinha visto os comentários...
Pois a cena tonta já saiu. Já pode descansar na paz das letras. :) e fez-me sorrir porque sou tonta, paciência, mas fez, só a mim e à minha imaginação adolescente...
Quanto ao sorriso por decreto, discordo. Não gosto de nada por obrigação. Eu sou apologista da liberdade do sorriso. O sorriso não pode ser obrigado por lei, nem agilizado para cumprir protocolo, nem forçado pela simpatia que se queria sentir. É livre por natureza, voa quando quer. ;)