Eva me chamaste

Fizeste das minhas costas o teu piano

Dos teus desenhos as minhas curvas

Da minha boca a tua maçã

Dos meus olhos o teu mar

Do meu mundo os teus braços


(...)

21 outubro 2014


"Eu quero mais. Mais paz. Mais saúde. Mais dinheiro. Mais poesia. Mais verdade. Mais harmonia. Mais noites bem dormidas. Mais noites em claro. 
Mais eu. Mais você. 
Mais sorrisos, beijos e aquela rima grudada na boca. 
Eu quero nós. Mais nós. 
Grudados. Enrolados. Amarrados. Jogados no tapete da sala. 
Nós que não atam nem desatam. 
Eu quero pouco e quero mais. 
Quero você. Quero eu. 
Quero domingos de manhã. Quero cama desarrumada, lençol, café e travesseiro. 
Quero seu beijo. Quero seu cheiro. 
Quero aquele olhar que não cansa, o desejo que escorre pela boca e o minuto no segundo seguinte: nada é muito quando é demais."

Caio Fernando Abreu

[quero, quero isto tudo que são pequenos nadas, coisas simples, coisas sentidas, genuínas, com a densidade do gostar que queremos na vida, onde nos sentimos completos, inteiros e bem. Quero ronha e mimo e beijos e conversas e meiguice no toque e desejo no olhar. Quero enroscar-me e não saber onde o nós começa e eu não acabo. Quero chegar a casa e começar-me num nós que nao acaba e que se começa de cada vez que um olhar é a nossa casa e a vida toda.
É isto é só isto tudo. É isto que quero. E existe. E eu sei. ]

Boa noite

Sem comentários: