Eva me chamaste

Fizeste das minhas costas o teu piano

Dos teus desenhos as minhas curvas

Da minha boca a tua maçã

Dos meus olhos o teu mar

Do meu mundo os teus braços


(...)

26 março 2015

"(...) dá porque gosta, porque ama e mais não interessa e isso é raro, demostra que é uma pessoa com um coração enorme e quando gosta é "arrasador" tanto para o outro como para si. é muito intenso, tão intenso que muitas vezes nos deixou sem palavras. quando aquelas não são precisas para as pessoas se perceberem e perceberem que amam, são cumplices, podem estar sozinhas, afastadas que nunca estão, o outro está sempre presente, lá, e isso só existe quando alguém não quer nada em troca (não exige nada em troca) (...) no princípio até me meteu algum medo devo dizer pois já me tinha esquecido do que é amar com toda a inocência que isso implica de parte a parte (...) não me lembrava do que era amar no verdadeiro sentido da coisa. sabe acho que é a sensação mais bonita do mundo e não a viver por muito tempo maltrata muito as pessoas. escondemo-nos numa capa de ferro, pesada, que nos tira os movimentos e que nos deixa sem aquela elasticidade que só se encontra quando as pessoas estão felizes, acordam felizes e adormecem felizes."
(apanhado por aí, que me tocou, que fala por mim em muita coisa...)

Amar é cuidar, é querer ver o outro bem, estar perto quando sabe que não está bem, ser o sorriso no fim das lágrimas que não se podem evitar que o mundo nos faça verter. É querer ser a parte boa e doce que dá força para aguentar as amarguras e as dores que não se podem evitar, mais que tudo é (como dizem no texto por outras palavras), ser perto. 
Ser perto quando não se pode estar perto, mas estar perto sempre que se puder.

5 comentários:

eusouassim disse...

Adorei a tua última frase.
E o começo...amar é cuidar. Tão simples.

Beijos

Eva disse...

Coisas simples que normalmente toda a gente complica...
Beijinho

eusouassim disse...

O próprio amar nem sempre é simples e fácil...mas sim, temos tendência para complicar muitas vezes.

Beijos

Eva disse...

Não concordo. O amar é a coisa mais simples e fácil, não se faz nada para amar, apenas ama-se sem quê nem para quê. É como uma erva daninha que nasce onde lhe apetece, sem razão aparente, é uma coisa selvagem que não é plantada, e que quando tentas arrancar não a matas, volta a nascer... daninha, selvagem. Sem razão. Simples. Não fazes nada, acontece. É do mais simples que há. O complicado pode ser às vezes lidar com isso e com o feitio da pessoa que é objecto do que sentes, mas amar, amar é a coisa mais simples do mundo. E fácil. :)

eusouassim disse...

Lá está...um bocadinho dentro daquilo que tenho comentado e do que falas por aqui...
Amar para mim engloba tudo, o que sentes, o "objecto" do amor, o que ele retribui (ou não). Simples é apenas o que sentes. E basta sentires e não ser correspondido para já não ser simples mas sim complicado! ;-)

Beijos